República e cidadania República das letras http://www.centenariorepublica.pt/
Conferencistas

António Nóvoa
Universidade de Lisboa

António Nóvoa é Professor Catedrático da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Lisboa e Reitor da Universidade de Lisboa. Foi Professor Assistente ou Professor Convidado, por períodos longos, das Universidades de Genebra (1982/1983), de Wisconsin-Madison (1993/1994), de Paris V (1995), de Oxford (2001) e Columbia University - New York (2002). Desempenhoufunções de Presidente do Conselho Científico da Faculdade (1999-2001); Presidente do Conselho Científico do Instituto de Inovação Educacional (1990-1993); Vogal do Conselho Científico do Institut National de Recherche Pédagogique, Paris (desde 1998) e do Conselho Científico do Musée National de l’Éducation (Rouen - França); Coordenador e/ou vogal de vários painéis de avaliação científica, em Portugal e no estrangeiro (União Europeia, INRP, etc.), particularmente como responsável da área de Ciências da Educação na Fundação para a Ciência e Tecnologia; Membro do Conselho Científico de Acompanhamento de Unidades de Investigação da Universidade do Minho (CEEP) e da Universidade do Porto (CESE), desde 1998; Membro da Comissão Científica do Senado da Universidade de Lisboa, desde 1998; Consultor para a Educação do Presidente da República (1996-1999); Presidente da Associação Internacional de História da Educação - ISCHE (2000-2003); Orientador (ou co-orientador) de 20 teses de doutoramentos e de cerca de 50 teses de mestrados, já concluídas; Membro de mais de cem júris de provas de agregação, de doutoramento e de mestrado, em Universidades portuguesas e estrangeiras (Paris III, Paris V, Madrid, La Coruña, Palma, Genève, Strasbourg, São Paulo, etc.); Membro de Conselhos científicos ou editoriais de várias revistas, nacionais e internacionais, nomeadamente: Análise Psicológica (Portugal), Année de la Recherche en Éducation; (França), Aprender (Portugal), Arquipélago - Ciências da Educação (Portugal), Doxa; (Brasil), Educação e Realidade (Brasil), Educación y Pedagogía (Colômbia), Educational; Research and Evaluation (Países Baixos), European Journal of Teacher Education (Reino Unido), European Journal of Vocational Education (CEDEFOP), Expression (Canadá); Historia da la Educación (Espanha), History of Education (Reino Unido), Inovação (Portugal), Paedagogica Historica (Bélgica), Mediterranean Journal of Educational Studies (Malta), Penser l'Éducation (França), Recherche et Formation (França), Revista Brasileira de Educação (Brasil), Revista Portuguesa de Educação (Portugal), Revue Française de Pédagogie (França) e Sarmiento (A Coruña). Sócio de diversas sociedades científicas, nacionais e internacionais, nomeadamente: International Standing Conference for the History of Education, Fondation des Archives; Institut Jean-Jacques Rousseau, European Society for Research on the Education of Adults, American Educational Research Association, History of Education Society, Comparative and International Education Society, Comparative Education Society in Europe, Association Internationale de Pédagogie Experimentale de Langue Française/AFIRSE, Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, European Educational Research Association. Autor de mais de uma centena de trabalhos científicos na área da Educação – em particular sobre temáticas da profissão docente, da história da educação e da educação comparada – publicados em diversos países, nomeadamente Alemanha, Bélgica, Brasil, Canadá, Colômbia,Espanha, Estados Unidos da América, Finlândia, França, Portugal, Reino Unido e Suíça.
 

Benjamin Abdala Junior
Universidade de São Paulo

Benjamin Abdala Junior é professor titular da FFLCH da Universidade de São Paulo. Investigador 1 A do CNPq, foi adjunto de representante e representante interino da área de Letras e Linguística da CAPES; actualmente, é coordenador dessa área e membro do Conselho Técnico-Científico dessa agência do MEC. Ex-presidente da Associação Brasileira de Literatura Comparada. Entre seus livros, podem ser citados A escrita neo-realista (1981); História social da literatura portuguesa (1984); Tempos da Literatura Brasileira (1985); Literatura, história e política (1989); Fronteiras múltiplas, identidades plurais: um ensaio sobre mestiçagem e hibridismo cultural (2002); De vôos e ilhas: literatura e comunitarismos (2003); Literaturas de língua portuguesa: marcos e marcas - Portugal (2007). Entre as coletâneas que organizou ou co-organizou, podem ser mencionadas Ecos do Brasil: Eça de Queirós, leituras brasileiras e portuguesas (2000); Personae: grandes personagens da literatura brasileira (2001); Incertas relações: Brasil e Portugal no século XX (2003); Margens da cultura: mestiçagem, hibridismo & outras misturas (2004); Portos flutuantes: trânsitos ibero-afro-americanos (2004) e Moderno de nascença: figurações críticas do Brasil (2006).

 

Carlos Reis
Universidade Aberta

Carlos Reis nasceu em Angra do Heroísmo, em 1950. Doutorou-se em Literatura Portuguesa em 1983 e obteve o título de agregado em 1989 pela Universidade de Coimbra. É professor catedrático desde 1990.

De 1998 a 2002 foi director da Biblioteca Nacional; em 1999 e 2000 foi presidente da Comissão para o Bicentenário de Almeida Garrett; em 2000 e 2001 foi presidente da Comissão Nacional do Centenário da Morte de Eça de Queirós. Foi presidente da Associação Internacional de Lusitanistas no triénio 1999-2001.

É doutor honoris causa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, comendador da Ordem de Isabel la Católica, comendador da Ordem de Sant’Iago da Espada, benfeitor e sócio grande benemérito do Real Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro, sócio correspondente da Academia Lusíada de Ciências, Letras e Artes de São Paulo e académico correspondente da Real Academia Española. Em 1996 foi galardoado com o Prémio Jacinto do Prado Coelho da Associação Internacional de Críticos Literários e em 2001 foi distinguido com o prémio Multimédia XXI, atribuído ao CD ROM Vida e Obra de Eça de Queirós, que coordenou.

Na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra tem leccionado Literatura Portuguesa, Teoria da Literatura, Literatura Espanhola e Estudos Queirosianos. Dirige, no Centro de Literatura Portuguesa (Fundação para a Ciência e Tecnologia),  o projecto “Figuras da Ficção”. Como professor convidado leccionou em diversas universidades estrangeiras, designadamente na Universidade de Salamanca, na Universidade de Wisconsin-Madison (Tinker Visiting Professor), na Universidade de Santiago de Compostela e na Universidade de Massachusetts-Dartmouth (Endowed Chair Professor).

Dirige dois projectos editoriais: a Edição Crítica das Obras de Eça de Queirós (doze volumes já publicados) e a História Crítica da Literatura Portuguesa (sete volumes já publicados). Publicou mais de uma dezena de livros, em Portugal e no estrangeiro (Espanha, Alemanha, França e Brasil), tendo-se consagrado em especial ao estudo da obra de Eça de Queirós e da sua geração. Presentemente é reitor da Universidade Aberta.
 

Clara Crabbé Rocha
Faculdade de Ciências Socias e Humanas da Universidade Nova de Lisboa

Clara Crabbé Rocha é professora catedrática aposentada da Universidade Nova de Lisboa e tem dedicado a sua actividade académica ao estudo da Literatura Portuguesa do século XX. Doutorou-se em 1985, na Universidade de Coimbra, com uma dissertação intitulada Revistas Literárias do Século XX em Portugal, editada no mesmo ano pela IN-CM. Publicou, além desse, os seguintes livros: O Espaço Autobiográfico em Miguel Torga (1977), Os “Contos Exemplares” de Sophia de Mello Breyner (1978), O Essencial sobre Mário de Sá-Carneiro (1985), Máscaras de Narciso (1992), Miguel Torga – Fotobiografia (2000) e O Cachimbo de António Nobre e Outros Ensaios (2003). Este último foi distinguido com o Prémio de Ensaio do PEN Clube e com o Grande Prémio de Ensaio 2003 da A.P.E. Autora de vários prefácios (entre eles, o da edição italiana dos Contos Exemplares de Sophia), tem também colaborado com artigos de crítica literária em revistas e jornais, como JL, Cadernos de Literatura, Colóquio/Letras, Vértice, Letras & Letras, Nova Renascença, Prelo, O Escritor, Letra Internacional, etc. Em 1985 foi agraciada com a comenda da Ordem do Infante D. Henrique. Foi professora convidada na Sorbonne em 2004. As suas principais áreas de investigação são o periodismo literário do século XX, a literatura autobiográfica e a poesia portuguesa contemporânea.

 

Cleonice Berardinelli
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Cleonice Berardinelli é Professora emérita da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Pontifícia da Universidade Católica do Rio de Janeiro; Doutora Honoris Causa da Universidade de Lisboa; Professora convidada pela pela Univ. de Lisboa e pela Univ. da Califórnia, Sta. Bárbara, para dar cursos de Pós-Graduação em Literatura Portuguesa; Membro do Conselho de Administração da Cátedra Jorge de Sena da UFRJ; Orientadora de mais de cem teses e dissertações de Doutorado e Mestrado, na UFRJ e na PUC-Rio; Membro de numerosas Bancas de Concurso para os cargos de Titular, de Professor Adjunto e outros. Entre algumas dignidades contam-se Grã-Cruz da Ordem de Santiago da Espada, concedida pelo Governo de Portugal e entregue pelo Primeiro Ministro Português, Engº José Sócrates, em cerimônia realizada no Real Gabinete Português de Leitura, no dia 11 de agosto de 2006; Comendas das Ordens do Infante D. Henrique e de Santiago e da Espada, ambas de Portugal; Medalha do Pacificador, do Brasil; Medalha Carlos Chagas Filho do Mérito Científico, do Estado do Rio de Janeiro; Prémio Golfinho de Ouro, categoria Educação, do Conselho Cultural do Estado do Rio de Janeiro; Prémio Fernando de Azevedo - Educador do Ano, concedido pela Academia Brasileira de Educação e entregue em sessão solene no dia 13 de outubro de 2008; Personalidade Cultural de 2009, da União Brasileira de Escritores – UBE-RJ.

 

Eduardo Lourenço
Universidade de Nice

Eduardo Lourenço é Professor Jubilado da Universidade de Nice. Licenciado em Ciências Histórico-Filosóficas pela Universidade de Coimbra, onde foi professor (1947-1949, 1950-1953), leccionou em várias universidades, como a de Bordéus (Bolsa de Estágio Full Bright, 1949), Hamburgo (1953), Heidelberg (1954), Montpellier (1955), Baía (1958), Grenoble (1960-1965) e Nice (desde 1965 até à Jubilação em 1988). Foi ainda Professor convidado da Universidade Nova de Lisboa (1973) e Maître de Conferences na Universidade de Nice (1986). É também Doutor Honoris Causa pela Universidades do Rio de Janeiro (1995), pela Universidade Nova de Lisboa (1998) e pela Facoltà di Lingue e Letterature Straniere Università di Bologna (2007). Colaborou nas revistas Árvore e O Tempo e o Modo. Entre as suas principais publicações contam-se Heterodoxia I (1949), O Desespero Humanista na Obra de Miguel Torga e o das Novas Gerações (1955), Heterodoxia II (1967), Sentido e Forma da Poesia Neo-Realista (1968), Fernando Pessoa Revisitado. Leitura Estruturante do Drama em Gente (1973), Tempo e Poesia – À Volta da Literatura (1974), Os Militares e o Poder (1975), O Fascismo Nunca Existiu (1976), Situação Africana e Consciência Nacional (1976), O Labirinto da Saudade – Psicanálise Mítica do Destino Português (1978), O Complexo de Marx ou o Fim do Desafio Português (1979), O Espelho Imaginário – Pintura, Anti-Pintura, Não-Pintura (1981), Poesia e Metafísica – Camões, Antero, Pessoa (1983), Ocasionais I / 1950-1965 (1984), Fernando, Rei da Nossa Baviera (1986), Nós e a Europa ou as Duas Razões (1988), O Canto do Signo – Existência e Literatura (1957-1993) (1994), A Europa – Para uma Mitologia Europeia, (1994), Nós Como Futuro (1997), O Esplendor do Caos (1998), Nau de Ícaro, seguido de Imagem e Miragem da Lusofonia (1999), Portugal como Destino, seguido de Mitologia da Saudade (1999), A Noite Intacta. (I)recuperável Antero (2000) Destroços - O Gibão De Mestre Gil E Outros Ensaios (2004), O Lugar Do Anjo - Ensaios Pessoanos (2004), O Outro Lado Da Lua - a Ibéria Segundo Eduardo Lourenço (2005), A Morte De Colombo - Metamorfose E Fim Do Ocidente Como Mito (2005), As Saias de Elvira E Outros Ensaios (2006). Eduardo Lourenço foi ainda galardoado com vários prémios nacionais e internacionais, nomeadamente, Prémio PEN Clube (1983), Prémio Europeu de Ensaio Charles Veillon (1988), Prémio António Sérgio (1992), Prémio Camões e Prémio D. Dinis (1996), Prémio Vergílio Ferreira, pela Universidade de Évora (2001), e o Prémio Extremadura para a Criação, categoria Melhor Trajectória Literária de um Autor Ibero-Americano (2006).Recebeu também a distinção de Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique (1992), de Chevalier de L’Ordre des Arts et des Lettres, do Governo Francês (2000) e a Condecoração Francesa da Legião de Honra, no grau de Cavaleiro (2002).
 

Elza Miné
Universidade de São Paulo

Elza Miné, Doutora em Letras (Literatura Portuguesa) pela Universidade de São Paulo, 1970, foi Professora Titular do Departamento de Português da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1983). Em 1991 obteve o título de Livre Docente em Filologia e Língua Portuguesa na Universidade de São Paulo USP, passando, desde esta data a  Professora Associada do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (USP). É docente de Pós-graduação da Área de “Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa”, desde a sua criação, em 1994, e é investigadora  Senior do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico ( CNPq). Foi professora convidada – Estudos luso-brasileiros - da State University of New York at Stony Brook (1979- 1980) e , em 2000-2002, coordenou o Mestrado Interinstitucional Universidade de São Paulo/ Universidade do Estado de Mato Grosso em Letras: Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa.

A sua actividade de investigação concentra-se nos campos da Literatura e Imprensa no século XIX (Brasil e Portugal), da produção jornalística de Eça de Queirós, das relações da Geração de 70  com o Brasil , e da Crítica textual (autores modernos): edições críticas e comentadas.

Como membro da equipe encarregada da Edição Crítica das Obras de Eça de Queirós, coordenada pelo Prof. Dr. Carlos Reis (Universidade de Coimbra), foi a responsável, com a colaboração de Neuma Cavalcante, pela edição dos textos jornalísticos enviados pelo escritor para a Gazeta de Notícias do Rio de Janeiro,cuja  publicação se fez em julho de 2002 pela Imprensa Nacional/Casa da Moeda, com o título Textos de Imprensa IV: da Gazeta de Notícias. É membro do Conselho Editorial da revista Queirosiana, da revista Via  Atlântica, USP, e do Conselho Cultural da Fundação Eça de Queirós.

 

Fernando Cabral Martins
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa

É professor na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Publicou ensaios, organizou antologias e preparou várias edições anotadas de Pessoa, Sá-Carneiro e Almada. Coordenou um Dicionário de Fernando Pessoa e do Modernismo Português. Publicou também livros de ficção.

 

Francisco Lima
Universidade Estadual de Feira de Santana

Francisco Ferreira de Lima é Doutor em Literatura Portuguesa pela USP e pós-doutor pelo King’s College – University of London. É Professor Titular de Literatura Portuguesa na Universidade Estadual de Feira de Santana, onde atua nos cursos de graduação e pós-graduação. Além de comunicações e ensaios publicados em anais de congresso e periódicos especializados, nacionais e estrangeiros, é autor de O outro livro da maravilhas – a Peregrinação de Fernão Mendes Pinto (Relume Dumará/Funceb, 1998); Do inventário à invenção – Redol e o neo-realismo (Uefs, 2002) e O Brasil de Gabriel Soares de Sousa e outras viagens (7letras/uefs, 2009). Atualmente desenvolve projeto sobre o mundo rural na ficção portuguesa contemporânea, com ênfase na narrativa curta de Miguel Torga.

 

Gilda Santos
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorada em Letras Vernáculas-Literatura Portuguesa na Universidade Federal do Rio de Janeiro concluído em 1989, com a tese “Uma alquimia de ressonâncias: O Físico Prodigioso de Jorge de Sena”. Na mesma Universidade obteve seu título de Mestre em 1980, com dissertação sobre a poesia de Camilo Pessanha. Realizou pesquisas de Pós-Doutorado junto à Universidade da Califórnia, Santa Barbara, USA, investigando o espólio de Jorge de Sena (1992-3, com bolsa do CNPq) e junto à Biblioteca Nacional de Portugal, examinando jornais portugueses do período 1956-1974 (2005, com bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian). Professora de Literatura Portuguesa nos Cursos de Graduação e Pós-Graduação da Faculdade de Letras/UFRJ de 1976 a 2006, quando se aposentou. Pesquisadora do CNPq de 1992 a 2006. Idealizadora da Cátedra Jorge de Sena na Fac. Letras/UFRJ, sendo sua Regente de 1999 a 2005. Vice-Presidente do Real Gabinete Português de Leitura (responsável pelo Centro de Estudos), onde dirige a revista Convergência Lusíada (desde 1992) e onde criou, em 2001, o Pólo de Pesquisa sobre Relações Luso-Brasileiras, sendo sua Coordenadora-Geral desde então e até o momento. Participa como Pesquisadora-Colaboradora, no CLEPUL, da Universidade de Lisboa. Organizadora de vários congressos, colóquios, seminários etc., proferiu numerosas conferências e participou de muitos encontros científicos no Brasil e no exterior. Além de ter coordenado a edição de mais de 30 livros e periódicos, tem extensa colaboração de ensaios e artigos em publicações brasileiras e estrangeiras, integrando ainda vários conselhos editoriais, como, por exemplo, o da revista Colóquio/Letras. Continua a actuar como pesquisadora, privilegiando enfoques sobre Jorge de Sena, Poesia Portuguesa do séc. XX, Literatura e Outras Artes, Relações Luso-Brasileiras. Foi condecorada em 1997, pelo Presidente da República Jorge Sampaio, com a Ordem do Mérito de Portugal.

 

Helder Malta Macedo
King’s College

Helder Malta Macedo é licenciado em Estudos Portugueses e Brasileiros (curso complementar em História) e Doutorado em Letras, Universidade de Londres, King’s College. Actualmente é Professor Catedrático Jubilado de Português (Emeritus Professor of Portuguese), Universidade de Londres, King’s College (desde Outubro de 2004). Entre outros cargos académicos, foi Camoens Professor of Portuguese, Universidade de Londres, King’s College (1982-2004); Professor de Estudos Portugueses e Brasileiros, Universidade de Londres, King’s College (1971-1982); Chefe do Departamento de Estudos Portugueses e Brasileiros, Universidade de Londres, King’s College (1982-1991); Director Associado, Instituto de Estudos Românicos, Escola de Estudos Avançados, Universidade de Londres (1990-2002); Presidente da Associação Internacional de Lusitanistas (1993-1999; Presidente Honorário desde 2002); Membro da Comissão Directiva da Modern Humanities Research Assciation, 1985-2004 (Presidente Honorário, 2009); Professor Catedrático Visitante: Harvard University (1981); Universidade de São Paulo e Universidade Estadual de Campinas (1991); École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris (1992 e 1995); Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994, 1997 e 2005), Universidade de Santiago de Compostela (2003); Académico Visitante e Escritor Residente, University of California, Berkeley (2006); Académico Visitante e Escritor Residente, University of Notre Dame, Indiana (2008). È membro da Academia das Ciências de Lisboa, desde 1987; Fellow of King’s College London, desde 1991) e Comendador da Ordem de Santiago da Espada desde 1993. É autor de uma vasta obra, desde a poesia à ficção.

 

Ida Alves
Universidade Federal Fluminense

Ida Alves concluiu o doutorado em Literatura Portuguesa pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, em 2000, com tese sobre “Carlos de Oliveira e Nuno Júdice – poetas: personagens da linguagem”. Pós-Doutorado em Literatura Portuguesa na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC-MG, sob supervisão da Profa. Dra. Lélia Parreira Duarte. É Professora Associada de Literatura Portuguesa na graduação e pós-graduação do Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense, desde 1993. Além de exercer actualmente a chefia do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas desse Instituto, coordena o Núcleo de Estudos de Literatura Portuguesa e Africana – NEPA-UFF  (www.uff.br/nepa).   É membro do Pólo de Pesquisa sobre Relações Luso-Brasileiras (PPRLB), sediado no Real Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro (www.realgabinete.com.br), onde também coordena o Núcleo de Literatura Portuguesa. Integra a equipe de pesquisa Poesia e Contemporaneidade sobre poesia brasileira e portuguesa, na UFF. Tem vários  artigos publicados em periódicos especializados brasileiros e estrangeiros,  além de diversos  capítulos de livros publicados no Brasil. Organizou com diferentes pesquisadores  livros / cds com estudos  sobre literaturas portuguesa e africana. Actualmente desenvolve o projecto de pesquisa intitulado Figurações e desfigurações da paisagem na poesia portuguesa contemporânea. Coordena também com a Profa. Marcia Manir (Universidade Federal do Maranhão) o grupo de pesquisa Literatura e Paisagem. Integra como colaboradora o grupo de pesquisa “Máscaras de Perséfone: figurações da morte nas literaturas portuguesa e brasileira contemporâneas”, PUC-MG. É pesquisadora-bolsista do Conselho Nacional de Pesquisa – CNPq - Brasil. Acaba de publicar, em co-organização com Celia Pedrosa, “Subjectividades em devir – estudos de poesia moderna e contemporânea”, Rio de Janeiro, 7Letras, 2008. Também organizou com Silvio Renato Jorge o número 2 da revista ABRIL – NEPA/UFF (www.uff.br/revistaabril) sobre “Paisagem e Espaço.” Linhas de pesquisa: Perspectivas teóricas dos estudos literários; Literatura e vida cultural; Literatura, outras artes e indústria cultural. Temas de investigação: poesia portuguesa moderna e contemporânea; poesia portuguesa do século XIX; poesia e crítica na contemporaneidade; poesia e relações culturais; poesia e visualidade: espaço e paisagem; poesia e configurações da subjectividade; poesia e figurações da morte; relações luso-brasileiras no âmbito da produção poética  dos séculos XIX e XX; estudos comparados de poesia.

 

Isabel Pires de Lima
..Estabelecimento de ensino..

Professora Catedrática da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, onde ensina Literaturas de Língua Portuguesa desde 1974 e onde se doutorou em Literatura Portuguesa, em 1987, com a tese As Máscaras do Desengano - Para uma leitura sociológica de "Os Maias" de Eça de Queirós (Lisboa, Editorial Caminho, 1987). É Professora convidada em Universidades europeias, americanas, asiáticas e africanas. Coordenadora da equipa portuguesa da Universidade do Porto que colaborou no projecto Lettres Européennes - Histoire de la Littérature Européenne (Paris, Hachette, 1992), das equipas que organizaram o Iº Encontro Internacional de Queirosianos (Eça e "Os Maias", Porto, Edições Asa, 1990), o Colóquio Antero de Quental e o Destino de uma Geração (Porto, Edições Asa, 1993), o Encontro "Neorealismo/Neorealismos" (Vértice, nº 75, Dezembro de 1996), o Colóquio Internacional Eça de Queiroz - 150 anos do nascimento (Câmara Municipal de Sintra, Vária Escrita, nº4,1997), o Encontro "Seara Nova - Razão/Democracia/Europa - Textos e Contextos" (Câmara Municipal de Matosinhos/Casa Museu Abel Salazar, 1998), a série de colóquios “Outras Faces de Eça de Queirós – um mês com Eça centenário” (FLUP 2000) e o Colóquio Internacional “Viagem do Século XX em José Gomes Ferreira” (FLUP 2001). Jurada de várias edições dos Grandes Prémios APE do Romance, do Conto, da Literatura Biográfica e do Ensaio, do Prémio Correntes de Escritas, do Prémio Vergílio Ferreira da Universidade de Évora, dos Prémios Jacinto do Prado Coelho e Consagração da Associação Internacional de Críticos Literários, do Prémio Pen Clube e do Prémio Camões dos Ministérios da Cultura de Portugal e do Brasil. Comissária Científica do Instituto Camões para o “Encontro de Literaturas Ibero-Americanas”, organizado no âmbito da VIII Cimeira Ibero-Americana de Chefes de Chefes de Estado e de Governo (Porto, 16-7 de Outubro de 1998) e para a acção “Eça de Queirós entre milénios: Pontos de olhar”(Havana, Paris, Rio de Janeiro, S. Paulo, Porto Alegre, Recife, Belo Horizonte, Brasília, Bristol, Montevideu, Buenos Aires, Santiago do Chile, 2000/1) de comemoração do centenário de Eça de Queirós no estrangeiro. No âmbito da Porto 2001 – Capital Europeia da Cultura, foi comissária do ciclo de 13 colóquios “Vozes e Olhares no feminino” (Vozes e Olhares no feminino, Porto 2001/Edições Afrontamaneto, 2001). Integra a equipa de investigadores encarregada pelo MC da preparação da edição crítica da obra completa de Eça de Queirós, o conselho de redacção da revista Queirosiana e o colectivo que produziu o Dicionário de Eça de Queiroz, coordenado por Campos Matos (Lisboa, Editorial Caminho, 1988; 2ªed., 1994; Suplemento, 2000). Foi membro da Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário de Eça de Queirós, nomeada pelo MC. Recentemente publicou Retratos de Eça de Queirós (Porto, Campo das Letras / Fundação Eça de Queiroz, 2000), editou A emigração como força civilizadora (Lisboa, Publicações Dom Quixote, 2000), editou e prefaciou O Crime do Padre Amaro com ilustrações de Paula Rego (Porto, Campo das Letras, 2001) e Visualidades – A Paleta de Eça de Queirós (Porto, Árvore–Cooperativa de Actividades Artísticas - Casino da Póvoa, 2008). Pertenceu aos corpos directivos do Centro de Estudos Literá¬rios e Semióticos da Universidade do Porto, da Associação Portu¬guesa de Escritores, da Associação Internacional de Lusitanistas e da Fundação Eça de Queiroz. Pertence à direcção da Cooperativa Árvore. Membro do conselho redactorial das revistas Via Atlântica (Universidade de S.Paulo-Brasil), Metamorfoses (Universiadade Federal do Rio de Janeiro – Brasil), Santa Barbara Portuguese Studies (University of California, Santa Barbara-EUA) e Portuguese Literary Studies & Cultural Studies (University of Massachusetts-Dartmouth-EUA). Na sua carreira política destacou-se como membro do XVIIº Governo Constitucional (2005-2008), assumindo a pasta da Cultura e foi deputada à Assembleia da República nas VIIIª, IXª e Xª Legislaturas (1999-2005/2005-2008).

ver Resumo

 

Jane Fraga Tutikian
Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Jane Fraga é Doutorada em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil(1998). Pós-Doutorada pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Brasil(2005), Actualmente é Professora Associada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Representante da área de Letras na Comissão Técnica de Acompanhamento da Avaliação – INEP/MEC (desde 2006). Representante da área de Letras na Comissão PIBID – CAPES (desde 2008). Representante da Especialidade Literatura Brasileira, Portuguesa e Luso-Africanas na Comissão Coordenadora do PPG-Letras. Coordenadora do Núcleo de Avaliação do Instituto de Letras. Directora do Instituto de Letras da UFRGS.

 

João Dionísio
Universidade de Lisboa

Professor de Literatura Portuguesa na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, escreveu a tese de mestrado sobre o trovador Fernan Soarez de Quinhones (1993) e doutorou-se com uma dissertação sobre a influência do Padre da Igreja João Cassiano na escrita de D. Duarte (2001). Organizou com Antonio Cortijo Ocaña o vol. 8, "Mais de pedras que de livros", de E-Humanista: journal of medieval and early modern Iberian Studies, 2007, sendo também responsável pela edição crítica de três volumes da obra de Fernando Pessoa e pela edição de O Caminho dos Pisões, de M. S. Lourenço.

 

Jorge Fernandes da Silveira
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor Titular da Faculdade de Letras da UFRJ, onde se doutorou, em Literatura Portuguesa, em 1982. Pesquisador 1A do CNPq. Professor Visitante nas Universidades Brown (onde se pós-doutorou), Santa Barbara at California, Minnesota e Salamanca. Principais publicações: Portugal Maio de Poesia 61 (Lisboa, 1986); Cesário Verde, Todos os Poemas (Rio de Janeiro, 1995); Verso com verso [Estudos de Poesia Portuguesa] (Coimbra, 2003); O Beijo Partido - Uma Leitura de O Beijo Dado Mais Tarde: Introdução à Obra de Llansol (Rio de Janeiro, 2004); Lápide & Versão: O Texto Epigráfico de Fiama Hasse Pais Brandão (Rio de Janeiro, 2006); O Tejo é um Rio Controverso – António José Saraiva contra Luís Vaz de Camões (Rio de Janeiro, 2008); 19 Recantos e Outros Poemas de Luiza Neto Jorge (com Mauricio Matos, Rio de Janeiro, 2008); A Moeda do Tempo e Outros Poemas de Gastão Cruz (Rio de Janeiro, 2009); Escrever A Casa Portuguesa (Organizador, Belo Horizonte, 1999). Colaboração em publicações coletivas e revistas como Colóquio/Letras, Relâmpago, Metamorfoses, Cadernos de Literatura Comparada, Veredas, Scripta, Semear.

 

José Carlos Seabra Pereira
Faculdade de Letras, da Universidade de Coimbra

Doutor pelas Universidades de Poitiers e de Coimbra, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e da Universidade Católica Portuguesa, investiga e lecciona nas áreas de Teoria Literária e Literatura Portuguesa Moderna, de Estudos Camonianos e de Estudos Pessoanos (cadeira que criou na Universidade de Coimbra). É actualmente o Coordenador Científico do Centro Interuniversitário de Estudos Camonianos e vice-director da Revista Camoniana (luso-brasileira), membro eleito do novo Conselho Científico da FLUC e da Comissão Científica do Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas, membro do painel de avaliadores da F. C. T. para as candidaturas a bolsas de investigação para doutoramento e pós-doutoramento, membro da Comissão Científica de várias revistas de Estudos Literários (Mathesis. Estudos Aquilinianos, etc.). Provedor da Casa da Escrita (de Coimbra), por votação unânime da vereação da Câmara Municipal. Membro do Conselho de Opinião da Rádio e Televisão de Portugal, da Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa, do Instituto de Filosofia Luso-Brasileira, do Conselho Executivo da Fundação Inês de Castro e do Conselho Editorial da Guimarães Editora. Preside ao Conselho Coordenador da Rota dos Escritores do Século XX da Região Centro; dirigiu o C.A.D.C. (Centro Académico de Democracia Cristã, de Coimbra) e a sua revista Estudos entre 2001 e 2007. Foi membro da Comissão para o Estudo da Condição do Professor em Portugal, do Conselho de Acompanhamento da Reforma Curricular e da 7ª Comissão de Avaliação do Ensino Superior Privado, bem como do Conselho Cultural de Coimbra Capital Nacional da Cultura-2003.Integrou a Comitiva Cultural do Presidente da República na visita oficial ao Brasil em 2008. Com sua mulher, presidiu ao CPM Portugal e à Fédération Internationale des Centres de Préparation au Mariage. É Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Santa Casa da Misericórdia de Coimbra. Tem integrado com frequência, por vezes em representação da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra ou da própria Universidade, vários júris de prémios literários, nomeadamente do Grande Prémio da Poesia, do Grande Prémio do Romance e da Novela, do Grande Prémio do Conto e do Grande Prémio de Ensaio da Associação Portuguesa de Escritores, do Grande Prémio Millenium/ Círculo de Leitores, do Prémio Vergílio Ferreira (Universidade de Évora), do Prémio Trindade Coelho, do Prémio Afonso Duarte, do Prémio António Feijó, do Prémio Vítor Matos e Sá, etc; foi recentemente escolhido para o júri do novo Grande Prémio Leya e para o júri do Prémio Camões 2009. Obras principais: Decadentismo e Simbolismo na Poesia Portuguesa (Coimbra, CER, 1975); Do Fim-de-Século ao Tempo de Orfeu (Coimbra, Almedina, 1979); Autour de la Thématique Politique et de L’Engagement dans la Littérature Portuguaise (Paris, Gulbenkian, 1982); L’Action Littéraire et l’Oeuvre Poétique de João de Barros (Poitiers, 1983); Neo-Romantismo na Poesia Portuguesa (Coimbra, 1999); vol.VII da História Crítica da Literatura Portuguesa: Do Fim-De-Século ao Modernismo (Lisboa, Editorial Verbo, 1995); António Nobre: Projecto e Destino (Porto, Edições Caixotim, 2000); O Essencial sobre António Nobre (Lisboa, I.N.-C.M., 2001); «Decadence and fin-de-siècle literature in Portugal», in A Revisionary History of Portuguese Literature (New York/London, Garland Publishing, 1999); vol. VI – Do Simbolismo ao Modernismo – da História da Literatura Portuguesa (Lisboa, Alfa, 2002); colecção de sínteses biobibliográficas Para Conhecer… sobre Afonso Lopes Vieira, Aquilino Ribeiro, Miguel Torga, Carlos de Oliveira, Fernando Namora, Vergílio Ferreira e Eugénio de Andrade (Coimbra, CCRDC, 2003), etc. Tem também publicado estudos monográficos, edições de textos (Obras Completas de Gomes Leal, Raul Brandão, Alberto d’Oliveira, Manuel Laranjeira, Trindade Coelho, etc.), estudos introdutórios a obras de vários autores (v.g., de Florbela Espanca, Mário Beirão, Américo Durão, Alberto Osório de Castro, Augusto Casimiro, José Valle de Figueiredo, Vitorino Nemésio, Gomes Leal, Camilo Pessanha e Augusto Gil) e muitos ensaios críticos, sobretudo na área da literatura portuguesa finissecular, neo-romântica e modernista. Tem ainda proferido numerosas conferências em reuniões científicas em Portugal e no estrangeiro (v.g. na Universidade de Santa Barbara/Califórnia; nas Universidades do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Porto Alegre; nas Universidades de Göttingen, Kiel e Marburg; nas Universidades de Paris-Sorbonne, de Rennes e de Bordeaux; na Universidade Complutense de Madrid; nas Universidades de Bergamo, Bari e Roma; no King’s College de Londres, etc. Tem colaborado abundantemente em enciclopédias e dicionários literários (Verbo,Polis,Biblos,etc.), bem como no jornalismo cultural (Diário de Notícias, de Lisboa, O Primeiro de Janeiro, do Porto, Estado de São Paulo, do Brasil, Jornal de Letras, Artes e Ideias/JL, de Lisboa, etc.), em revistas especializadas (Colóquio/Letras, Revista Brasileira de Língua e Literatura Portuguesa, Prelo, Nova Renascença, Humanitas, Mathésis, Ave Azul, etc.) e em revistas de cultura (Brotéria, Estudos, Via Latina, Rua Larga, etc.).

 

Laura Cavalcante Padilha
Universidade Federal Fluminense

Laura Cavalcante Padilha é Professora Associada de Literaturas de Língua Portuguesa da Universidade Federal Fluminense, com ênfase para as africanas; pesquisadora 1B do CNPq e pesquisadora associada do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra. Possui graduação em Letras Neo-Latinas pela Universidade do Brasil (1959), mestrado em Letras pela Universidade Federal Fluminense (1978) e doutorado em Letras (Letras Vernáculas) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1988) e Pós-doutorado em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa (Angolana) pela Universidade de São Paulo. Actualmente é pesquisadora - nível 1b do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, consultor ad-hoc da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, consultor ad hoc da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro. Suas principais linhas de pesquisa são: formas de representação do outro; literatura e vida cultural; estudos pós-coloniais; questões identitárias e discussão sobre a formação canônica. Autora das obras Entre a voz e a letra: o lugar da ancestralidade na ficção angolana do século XX (Niterói: EdUFF, 1995, já em segunda edição: Palas/EdUFF, 2007) e Novos pactos, outras ficções: ensaios sobre literaturas afro-luso-brasileiras (Porto Alegre: Edipucrs, 2002 e Lisboa, Imbondeiro:2006).

 

Lélia Parreira Duarte
Universidade Católica de Minas

Lélia Parreira Duarte é Professora Titular de Literatura Portuguesa da UFMG (aposentada) e Professora convidada do Programa de Pós-graduação em Letras da PUC Minas, onde dirigiu respectivamente o Centro de Estudos Portugueses (FALE/UFMG) e o Centro de Estudos Luso-afro-brasileiros (PUC Minas), tendo sido editora da revista Scripta (21 números publicados) e dos Cadernos CESPUC de Pesquisa (17 números publicados). Doutora em Literatura Portuguesa pela USP e Pós-doutora em Literatura Portuguesa pela Universidade de Lisboa, coordena o grupo de pesquisa “De Orfeu e de Perséfone: figurações da morte nas literaturas portuguesa e brasileira contemporâneas”, que já publicou três livros de ensaios.  Pesquisadora da ironia e do humor desde sua tese de doutorado sobre Augusto Abelaira, já publicou mais de uma centena de ensaios sobre o assunto, com análises de obras de autores portugueses e brasileiros e destaque para Camões e Fernão Mendes Pinto, Vieira e Almeida Garrett, Camilo Castelo Branco e Eça de Queirós, Fernando Pessoa e Sá-Carneiro, Augusto Abelaira e Mário Cláudio e ainda Guimarães Rosa, entre outros, sobre os quais orientou também numerosas teses de doutorado e dissertações e mestrado.  Em 2006 publicou, pelas Editoras Alameda/SP e PUC Minas, o volume: Ironia e humor na literatura.  No campo da criação tem-se dedicado à pintura e à poesia, tendo publicado, em 2009, pela Editora Veredas & Cenários/MG, seus Exercícios de viver em palavra e cor.

 

Manuel Gusmão
Universidade de Lisboa

Manuel Gusmão é Professor Catedrático (aposentado desde 2006), ensaísta e crítico, poeta e tradutor de poesia. Licenciou-se em Filologia Românica com uma dissertação sobre os poemas dramáticos de Fernando Pessoa e doutorou-se com uma tese sobre a poesia e a poética de Francis Ponge. Enquanto universitário trabalhou nas Literaturas portuguesa e francesa, em Literatura Comparada (estudos interartes) e Teoria Literária. Foi redactor das revistas Letras e Artes e O Tempo e o Modo e colaborador permanente do jornal Crítica. Foi fundador das revistas Ariane (do Grupo Universitário de Estudos de Literatura Francesa) e Dedalus (da Associação Portuguesa de Literatura Comparada). Actualmente, é coordenador da revista Vértice (desde 1988) e tem publicado crítica literária no suplemento Ípsilon do jornal Público. Publicou ensaios ou prefaciou obras de Fernando Pessoa, Gastão Cruz, Carlos de Oliveira, Herberto Helder, Sophia de Mello Breyner Andresen, Luiza Neto Jorge, Ruy Belo, Armando Silva Carvalho e Fernando Assis Pacheco; Almeida Faria, Maria Velho da Costa, Nuno Bragança, Maria Gabriela Llansol, Luís de Sousa Costa e José Saramago. Entre alguns dos títulos da sua autoria contam-se: Dois Sóis A Rosa/ a arquitectura do mundo, Editorial Caminho, 1990; 2ª ed. 2005; Mapas/ O Assombro A Sombra, Editorial Caminho, 1996; 2ªed. 2000; Teatros do tempo, Ed. Caminho, 2001, 3ª ed. 2002; Os Dias Levantados (libreto para a ópera homónima de António Pinho Vargas, Teatro Nacional de São Carlos, 1998), ed. Revista e ampliada, Editorial Caminho, 2002; Migrações do fogo, Editorial Caminho, 2004, 2ª ed. 2004; A Terceira Mão, Editorial Caminho, 2008; Calderón de la Barca, A vida é Sonho, Editorial Estampa/ Seara Nova, 1973; Francis Ponge, Alguns poemas, Cotovia, 1996; A Poesia de Carlos de Oliveira, Seara Nova/Comunicação, 1981; O Poema Impossível: O “Fausto” de Pessoa, Editorial Caminho, 1986; A Poesia de Alberto Caeiro, Comunicação, 1986; Poemas de Ricardo Reis, Comunicação, 1991; Tatuagem & Palimpsesto (recolha de ensaios em preparação)

 

Margarida Calafate Ribeiro
Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra

Margarida Calafate Ribeiro é investigadora no Centro de Estudos Sociais, da Universidade de Coimbra. É docente nos programas de doutoramento do Centro de Estudos Sociais / Faculdade de Economia, “Pós-Colonialismos e Cidadania Global” e “Democracia no Século XXI” e co-editora da publicação electrónica dos programas de doutoramento do CES, Cabo dos Trabalhos. Responsável pela cátedra Eduardo Lourenço, do Instituto Camões e da Universidade de Bolonha; Visiting Researcher Associate do King’s College, Universidade de Londres;

Doutorada em Estudos Portugueses pelo King’s College, Universidade de Londres; mestre pela Universidade Nova de Lisboa e licenciada pela Universidade de Aveiro.

Os seus actuais interesses de investigação incluem estudos pós-coloniais, literatura portuguesa e de países de língua portuguesa, história do império português, em particular o império africano e as guerras coloniais e mulheres e guerra. Actualmente, coordena os projectos de investigação “Poesia da Guerra Colonial: ontologia do ‘eu’ estilhaçado” e “Os Filhos da Guerra Colonial: pós-memória e representações” (financiados pela FCT).

É autora dos livros Uma História de Regressos: Império, Guerra Colonial e Pós-Colonialismo, (Afrontamento, 2004) e África no Feminino: as mulheres portuguesas e a Guerra Colonial. (Afrontamento, 2007). É organizadora de Fantasmas e Fantasias Imperiais no Imaginario Português Contemporâneo (com Ana Paula Ferreira) (Campo das Letras, 2003), Lendo Angola (com Laura Cavalcante Padilha)(Afrontamento, 2008), Moçambique: das palavras escritas (com Maria Paula Meneses) (Afrontamento, 2008), Atlantico Periferico – Il Postcolonialismo Portoghese e il Sistema Mondiale, (com Roberto Vecchi e Vincenzo Russo) (2008), para além de numerosas publicações em revistas científicas de referência.

 

Maria de Fátima Marinho
Faculdade de Letras da Universidade do Porto

Maria de Fátima Marinho nasceu no Porto em 1954. Licenciou-se em Filologia Românica (1976) e doutorou-se em 1987, com uma tese sobre o Surrealismo em Portugal. É Professora Catedrática e Presidente do Conselho Científico da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, onde lecciona Literatura Portuguesa dos séculos XIX a XXI. Da sua actividade como investigadora, salientam-se as seguintes obras: Herberto Helder, a Obra e o Homem, Lisboa, Arcádia, 1982; O Surrealismo em Portugal, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Col. Temas Portugueses, 1987; A Poesia Portuguesa nos meados do Século XX - Rupturas e Continuidades, Lisboa, Caminho, Col. Estudos de Literatura Portuguesa, 1989; Prefácio e Edição de Carlos Malheiro Dias, Os Teles de Albergaria, Porto, Campo das Letras, 1999; Prefácio e Edição de Carlos Malheiro Dias, Filho das Ervas, Porto, Campo das Letras, 1999; O Romance Histórico em Portugal, Porto, Campo das Letras, 1999; História da Literatura Portuguesa – As Correntes Contemporâneas. Vol. 7 (dir. de, em colaboração com Óscar Lopes), Lisboa, Alfa, 2002; José Marmelo e Silva, Não Aceitei a Ortodoxia – Obra Completa (coordenação e prefácio), Porto, Campo das Letras, 2002; Um Poço sem Fundo – Novas Reflexões sobre Literatura e História, Porto, Campo das Letras, 2005; «Teolinda Gersão: uma Escrita Cintilante», in Teolinda Gersão – Retratos Provisórios, Lisboa, Roma Editora, 2006, pp.119-180; O Sonho de Aljubarrota, Aljubarrota, Fundação Batalha de Aljubarrota, 2007; Edição e prefácio a Raul Brandão, El-Rei Junot, Lisboa, Relógio d’Água, 2007; Edição e prefácio a Raul Brandão, Vida e Morte de Gomes Freire, Lisboa, Relógio d’Água, 2007; History and Myth – The Presence of National Myths in Portuguese Literature, Munique, Martin Meidenbauer Verlagsbuchhandlung, 2008; A Lição de Blimunda – A propósito de Memorial do Convento, Colecção Saberes Plurais, Porto, Areal Editores, 2009. Foi júri do Prémio Camões e de outros prémios literários.

 

Maria do Rosário Pedreira
Universidade Clássica de Lisboa

Maria do Rosário Pedreira nasceu em Lisboa em 1959. Licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Franceses e Ingleses, pela Universidade Clássica de Lisboa. Estudou paralelamente outros idiomas, como o alemão e o italiano, tendo sido bolseira na Università per Studenti Stranieri de Perugia.

Foi professora de Português e Francês durante cinco anos, actividade que a influenciou decisivamente a escrever para jovens, ingressando posteriormente na carreira editorial. Trabalhou como assistente editorial na Gradiva e, posteriormente, como editora na Temas e Debates e na QuidNovi, que actualmente dirige.

Enquanto escritora, trabalha em três vertentes: a literatura juvenil, a ficção e a poesia. As suas colecções de livros para jovens, que utilizam o formato de aventuras policiais, foram objecto de adaptação televisiva e venderam mais de um milhão de exemplares. O tema da casa como universo onde se encerra tudo o que perdura, mesmo que apenas sob a forma de memórias (lidas, escritas ou vividas), é recorrente na sua obra para adultos.

Recebeu vários prémios literários e tem participado em numerosos encontros de escritores em Portugal e no estrangeiro. Os seus poemas estão traduzidos em várias línguas e publicados em antologias e revistas literárias internacionais.
 

Maria Fernanda de Abreu
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa

Maria Fernanda de Abreu. Professora Associada, na Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Departamento de Línguas, Culturas e Literaturas Modernas. Responsável científica pela área de Estudos Espanhóis. Fundadora e Presidente do Instituto de Estudos Ibéricos e Ibero-Americanos e membro do Centro de História da Cultura (FCT), desta Universidade. Docente na mesma instituição desde Outubro de 1980, na área das Literaturas Portuguesa (séc. XIX), Hispânicas e Comparada. Coordenou o Centro de Estudos de Culturas Lusófonas e fundou e coordena a variante do Mestrado LLC- Estudos Ibéricos e Ibero-Americanos. Doutorada em Literaturas Românicas Comparadas (Universidade Nova de Lisboa, 1993), licenciou-se em Filologia Românica, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (1972). Iniciou a sua carreira docente universitária na Universidade Complutense de Madrid e de crítica literária na Revista Reseña, de Madrid, em 1972. Foi investigadora visitante nas Universidades de Harvard (1991) e Brown (2007) e Professora Convidada nas Universidades de Coimbra , UFRJ - Rio de Janeiro e PUC – Rio de Janeiro, Paris VIII e Lyon2. Proferiu conferências e cursos em diversas Universidades estrangeiras (Espanha, França, Itália, México, Argentina, Peru, Brasil, Estados Unidos da América, Índia) e tem publicados, desde 1972, múltiplos artigos na área das literaturas portuguesa (séculos XIX e XX), espanhola, hispano-americana e comparada (em particular, estudos de narrativa, estudos cervantinos, romantismos e relações literárias na Península Ibérica). Integra as Juntas Directivas da Asociación Internacional de Hispanistas e da Asociación de Cervantistas e é membro, entre outras, da Associação Internacional de Literatura Comparada. Condecorada com a Cruz de Oficial de Isabel, La Católica (1997). Entre as publicações, destaca-se: o livro Cervantes no Romantismo Português. Cavaleiros Andantes, Manuscritos Encontrados e Gargalhadas Moralíssimas. Prólogo de Claudio Guillén. Lisboa, Editorial Estampa.1994; “O Quixote na voz dos escritores portugueses”. Dom Quixote. A letra e os Caminhos. Maria Augusta da Costa Vieira (org.), São Paulo, Edusp, 2006; “Viagens na Minha Terra: caminhos para a leitura de uma embaraçada meada”. Em Louvor da Linguagem. Homenagem a Maria Leonor Carvalhão Buescu. AAVV, org. Lisboa, 2003;“El Romanticismo”. José Luis Gavilanes y António Apolinário (Eds.). Historia de la Literatura Portuguesa. Madrid, Ed. Cátedra, 2000. pp. 383- 423; “Garrett, poeta do exílio”. Colóquio/Letras, número duplo “no segundo centenário de Almeida Garrett”, nº 153/154, Julho-Dezembro de 1999. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian [2000];“Leer a Cervantes en tierra de Camões. Os Lusíadas y El Persiles: la literatura comparada y la lectura literaria”. Sin Fronteras. Ensayos de literatura comparada en homenaje a Claudio Guillén. D.Villanueva, A. Monegal, Enric Bou (coord..). Madrid, Univ. Pompeu Fabra, Univ. Santiago de Compostela, Ed. Castalia, 1999; “Garrett: de fingimentos e conclusões (formas que teve o escritor de fazer o seu próprio elogio)”. Leituras, Revista da Biblioteca Nacional. Nº 4, Primavera de 1999 (nº dedicado a Almeida Garrett, que dirigiu). Lisboa, 1999; “A casa onde nasceu o Senhor de Ninães. Lugares da escrita camiliana”. Escrever a Casa Portuguesa. Org. Jorge Fernandes da Silveira. Belo Horizonte, Editora UFMG, 1999; vários verbetes em Dicionário do Romantismo Literário Português, coordenação de Helena Carvalhão Buescu. Lisboa, Editorial Caminho, 1997; "Alcácer Quibir, a batalha expiatória. (Para o estudo da novela histórica de Camilo Castelo Branco)", Colóquio/Letras, no.119 (de Homenagem a "Camilo Castelo Branco, a cem anos da sua morte"), Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Janeiro - Março, 1991; "Introdução" a A Brasileira de Prazins, de Camilo Castelo Branco, Lisboa, Ed.Ulisseia, 1984.

 

Maria Lúcia Dal Farra
Universidade Federal do Sergipe

Maria Lúcia Dal Farra é titular permanente da Universidade Federal do Sergipe (Brasil) e pesquisadora do CNPq. Foi professora da Usp, da Unicamp (onde fundou e dirigiu a revista Estudos Portugueses e Africanos), da Universidade de Berkeley (Califórnia). Tem publicados mais de duas centenas de artigos e ensaios, dentre os quais As pessoas de uma incógnita. Estudo sobre Fernando Pessoa e as Inéditas (Lisboa: Boletim Cultural da Assembléia Distrital de Lisboa, 1977); O narrador ensimesmado. Estudo dos romances de primeira pessoa de Vergílio Ferreira (São Paulo: Ática, 1978), A alquimia da linguagem. Leitura da cosmogonia poética de Herberto Helder (Lisboa: INCM, 1986); Florbela Espanca, Trocando olhares (Lisboa: INCM, 1994 - leitura obrigatória do “Programme du Concours Extermes de l´Agrégation” às universidades francesas); Florbela Espanca (Rio de Janeiro: Agir, 1996); Poemas de Florbela Espanca (São Paulo: Martins Fontes, 1996), Florbela Espanca, Afinado desconcerto (São Paulo: Iluminuras, 2002); Florbela Espanca, À margem dum soneto/O resto é perfume (Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007) e Perdidamente. Correspondência amorosa de Florbela Espanca 1920-1925 (Lisboa: Quasi, 2008), com apresentação de Inês Pedrosa.

É poetisa (Livro de auras. São Paulo: Iluminuras, 1994; Livro de possuídos. São Paulo: Iluminuras, 2002) e contista (Inquilina do intervalo. São Paulo: Iluminuras, 2004). Actualmente é curadora de Literatura Portuguesa e de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa do Prêmio Portugal Telecom de 2009. Seu currículo completo para consulta se encontra no site do CNPq.
 

Maria Theresa Abelha Alves
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Professora aposentada da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde se doutorou em Literatura Portuguesa, em 1981; ex- Professora Titular de Literatura Portuguesa da Universidade Estadual de Feira de Santana. Pesquisadora do CNPq. Professora visitante do Mestrado em Barroco da Universidade Nova de Lisboa (onde se pós-doutorou) e da Faculdade Michel de Montagne, da Université Bordeaux III. Principais publicações: A dialéctica da camuflagem nas Obras do Diabinho da Mão Furada (Lisboa: 1983);  Gil Vicente revisitado (Rio de Janeiro, 1995); Outras margens: estudos da obra de Guimarães Rosa ( organizadora com Lélia Parreira Duarte, Belo Horizonte, 2001); Gil Vicente sob o signo da derrisão (Feira de Santana,2002). Colaboração em publicações coletivas e revistas como Colóquio/Letras, Metamorfoses, Veredas, Scripta, Semear, Légua & Meia, Censive, Latitudes e outras.

 

Monica Figueiredo
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Monica Figueiredo possui Bacharelado em Português-Literaturas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1987); Licenciatura em Português-Literaturas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992), Especialização em Literatura Portuguesa Contemporânea pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1990); Mestrado em Literatura Portuguesa (Letras Vernáculas) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994), com a dissertação: "De volta a casa, uma aventura da escrita num tempo de novas viagens", sobre a temática da emigração na narrativa de João de Melo; Doutorado em Literatura Portuguesa (Letras Vernáculas) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002), com a tese: "No corpo, na casa e na cidade: a ficção ergue a morada possível", sobre as narrativas de Eça de Queirós, Helder Macedo, Lídia Jorge e José Saramago.

A docente possui ainda Pós-Doutorado pela Universidade de Coimbra, onde desenvolveu o projeto de pesquisa: "E[ç]as Mulheres: um estudo da presença feminina na narrativa de Eça de Queirós", supervisionado pelo Prof. Dr., Carlos Reis. O referido projeto foi premiado pela Cátedra Jorge de Sena/Fundação Calouste Gulbenkian (2005); pela Fundação Universitária José Bonifácio, através do Programa Antônio Luís Vianna (2004); e recebeu Bolsa de Pós-Doutorado no Exterior do Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq). Em 2006, o seu projeto de pesquisa foi novamente premiado pela Fundação Universitária José Bonifácio, através do Prêmio Antonio Luís Vianna.

É Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Letras Vernáculas, com ênfase na Literatura Portuguesa, trabalhando principalmente com os seguintes temas: literatura portuguesa finissecular, relações entre literatura e história, casa/corpo/cidade e a obra de Eça de Queirós.

Em 2007, iniciou um novo projeto de pesquisa onde discute as relações estabelecidas entre o romance realista brasileiro, português e espanhol, através dos personagens masculinos construídos pela ficção de Machado de Assis, Eça de Queirós e Leopoldo Alas: "De vencedores vencidos: Bento Santiago, Carlos da Maia e D. Álvaro Mesía. Algumas considerações sobre o romance íbero-brasileiro oitocentista". O referido projeto foi agraciado com Bolsa de Pesquisa da Fundação Biblioteca Nacional do Brasil em 2007-2009. É autora de vários ensaios publicados no Brasil e no exterior e tem no prelo - com publicação prevista para o segundo semestre de 2009 - As moradas da ficção (Ed. Língua Geral), texto oriundo de sua tese de doutoramento.

 

Paula Morão
Universidade de Lisboa

Paula Morão, n.1951, é Professora Catedrática do Departamento de Literaturas Românicas da Faculdade de Letras de Lisboa, na qual se doutorou em Literatura Portuguesa. Dedica-se, na docência como na investigação, à Literatura Portuguesa dos séculos XIX a XXI, à Literatura Autobiográfica, à Crítica Textual aplicada a textos modernos, e às relações entre Literatura e Arte. É membro do Centro de Estudos Comparatistas/Universidade de Lisboa; aí coordena o Projecto AUTOBIO - Literatura Autobiográfica – Questões teóricas e corpora. Exerceu entre Abril 2007 e Novembro 2009 as funções de Directora-Geral do Livro e das Bibliotecas (Ministério da Cultura). Entre as principais publicações contam-se: Irene Lisboa – Vida e escrita, 1989 (Grande Prémio de Ensaio da Associação Portuguesa de Escritores, 1990); António Nobre – Uma leitura do nome, 1991 (Prémio Jacinto do Prado Coelho do Centro Português da Associação Internacional dos Críticos Literários, 1991; Prémio Eça de Queirós - Câmara Municipal de Lisboa, 1992); Viagens na terra das palavras, 1993; Obras de Irene Lisboa, dez volumes, 1991–1999; Só de António Nobre, reprodução tipográfica da 2ªedição/ 1898, 2000; Salomé e outros mitos – O feminino perverso na Literatura Portuguesa entre o Fim-de-Século e ‘Orpheu’, 2001; António Nobre em contexto – Actas do Colóquio de 2000, org. de Paula Morão, 2001; prefácio e edição de O ritmo na poesia de António Nobre, de Luís Filipe Lindley Cintra, 2002; Paula Morão (ed.), Autobiografia. Auto-representação, ACT 8 – Centro de Estudos Comparatistas, Lisboa, 2003; Retratos com sombra – António Nobre e outros contemporâneos, 2004; Kelly Basílio, Mário Jorge Torres Silva, Paula Morão e Teresa Amado (eds.). Concerto das Artes, Porto, Campo das Letras, 2007; Helena Carvalhão Buescu e Paula Morão (eds.). Cesário Verde – Visões de artista, Campo das Letras, 2007; Paula Morão e Carina Infante do Carmo (eds.). Escrever a Vida – Verdade e Ficção, ACT 16, Centro de Estudos Comparatistas/ Campo das Letras, 2008.

 

Rosa Goulart
Universidade dos Açores

Rosa Maria Baptista Goulart é professora catedrática do Departamento de Línguas e Literaturas Modernas da Universidade dos Açores. É doutorada pela mesma Universidade com uma dissertação intitulada Romance lírico: o percurso de Vergílio Ferreira e um estudo complementar intitulado Carlos de Oliveira: Arte Poética. É membro do Centro de Literatura Portuguesa, Centro FCT da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, e da Equipa Vergílio Ferreira. Na Universidade dos Açores é membro do Conselho Geral, do Conselho Científico, do Conselho de Departamento e da Comissão Científica Departamental. É também directora do curso de doutoramento em Estudos Portugueses. Tem regido, nos cursos de licenciatura, as disciplinas de Introdução aos Estudos Literários, de Literatura Portuguesa Moderna e Contemporânea, de Teoria da Literatura e de Literatura de Viagens e, nos cursos de mestrado, as disciplinas de Teoria da Literatura, de Literatura Portuguesa Contemporânea, de Géneros do Discurso, de Literatura e Sociedade e de Escritas do «eu» na Literatura Portuguesa. Tem proferido conferências em reuniões científicas nacionais e internacionais e participado em júris de provas académicas em várias Universidades Portuguesas e em algumas estrangeiras. Para além de publicações várias, nos domínios da Teoria da Literatura e da Literatura Portuguesa, em Actas de colóquios ou congressos ou em revistas da especialidade, tem as seguintes publicações em livro: Romance lírico: o percurso de Vergílio Ferreira, Lisboa, Bertrand, 1989; Arte(s) Poética(s), Braga, Angelus Novus, 1997; O Trabalho da Prosa, Braga, Angelus Novus, 1997; Literatura e Teoria da Literatura em Tempo de Crise, Braga, Angelus Novus, 2001.

 

Rosa Maria Martelo
Universidade do Porto

Professora Associada com Agregação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, onde se doutorou, em Literatura Portuguesa, em 1996. Investigadora do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa (Unidade I&D), cuja Direcção integra. Domínios de investigação: Literatura Portuguesa Moderna e Contemporânea, Poéticas dos Séculos XIX, XX e XXI, Literatura Comparada. Nos trabalhos mais recentes, tem privilegiado o estudo da poesia contemporânea e das relações inter-artes (poesia/cinema). Algumas publicações: Carlos de Oliveira e a Referência em Poesia (1998), Em Parte Incerta. Estudos de Poesia Portuguesa Contemporânea (2004), Vidro do mesmo Vidro – Tensões e deslocamentos na poesia portuguesa depois de 1961 (2007). Tem colaboração dispersa em várias publicações colectivas e em diversas revistas.

 

Vilma Areas
Universidade Estadual de Campinas

Vilma Areas é escritora, livre-docente pela UFF e titular pela UNICAMP. Tem entre a sua obra publicada os seguintes títulos A terceira perna - ficção- prêmio Jabuti (Brasiliense, 1992); Trouxa frouxa -ficção - prêmio Alexandro José Cabassa -UBE (Cia dasLetras, 2000);Na tapera de Santa Cruz - ensaio (Martins Fontes, 1987)- Clarice Lispector com a ponta dos dedos. -ensaio- prêmios Jabuti e APCA (Cia das Letras, 2005).